ACIMA DE TUDO: O AMOR…

 

“Portanto, como povo escolhido de Deus, santo e amado, revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência. Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou.    Acima de tudo, porém, revistam-se do amor, que é o elo perfeito. (Cl 3:14). (Col 3:12-14).

 

  • Todas essas virtudes são importantes e necessárias para a nossa vida. Porém, mais importante de todas, é o amor.

 

  • Em qualquer situação…quer eu esteja sozinho, ou vivendo como um sacal, em família, na Igreja ou numa sociedade…eu sempre vou precisar aprender a me relacionar…por isso o amor é fundamental.

 

 

O Maior de todos os mandamentos.

 

“De todos os mandamentos, qual é o mais importante: Respondeu-lhe Jesus: – O mais importante é este: “Ouça, ó Israel, o Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor. Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todo o seu entendimento e de todas as suas forças. O segundo é este: Ame o seu próximo como a si mesmo.  Não existe mandamento maior do que este. ” (Mc 12:29,30).

 

Três mandamentos ligados em um só, ou um mandamento formado em três bases diferentes.

 

  • Reconhecer Deus como único Deus.
  • Amar a Deus acima de todas as coisas.
  • Amar o próximo no mesmo nível que você se ama.

 

 

  • Não existe o verdadeiro amor, se faltar um desses elementos: Deus – O próximo e eu.

 

  • Você só irá conseguir amar o seu próximo como a si mesmo, quando amar a Deus acima de todas as coisas. Você só irá amar a Deus acima de todas as coisas, quando reconhecer que ele é único e verdadeiro Deus.

 

  • Com essa definição de amor, podemos entender que amar não é apenas uma questão de gostar, de sentir; mas é uma questão de entender um princípio, uma verdade.

 

O desgaste do significado original da palavra amor.

 

  • Com o tempo, as palavras vão perdendo o seu sentido original.

 

  • Amar sempre tem algo a ver com outra pessoa. Amar é cuidar, amar é servir, amar é obedecer, é suportar, é ajudar a construir algo de bom na vida de outra pessoa.

 

  • Hoje amar significa gostar. Um sentimento que diz respeito apenas a mim mesmo. Uma questão de satisfação própria, questão de preferência.

 

  • Eu escolho o que quero amar ou melhor…gostar.  (Eu amo peixe…).

 

  • O que caracteriza o amor, não é só o que eu sinto, mas é o que eu faço. É o que o outro sente, com relação aquilo que faço.

 

O esfriamento do amor.

 

“Devido ao aumento da maldade, o amor de muitos esfriará. ” (Mt 24:12)

“Os homens são egoístas, amantes de si mesmos”…

 

  • O amor vai esfriar, porque as pessoas vão se afastar de Deus. Longe de Deus não há compreensão nem manifestação do verdadeiro amor.

 

 

A necessidade de voltar ao princípio.

 

  • Apesar do quadro que o mundo apresenta…como Igreja precisamos manter a chama desse amor verdadeiro. “Crescei no amor. ”

 

 

A Restauração do Amor.

 

  • Estamos vivendo o tempo da restauração de todas as coisas. E tudo aquilo que é essencial na Igreja, precisa ser restaurado.

 

  • Na sua mensagem à Igreja de Éfeso, o Senhor Jesus apela àqueles irmãos a voltarem à prática do primeiro amor.

 

“Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, de onde caíste! Arrepende-te, e pratica as primeiras obras. Se não te arrependeres, brevemente virei a ti, e removerei do seu lugar o teu candeeiro, se não te arrependeres. ” (Ap 2:4,5).

  • Se a Igreja não restaurar o amor, não há razão dela existir.

 

  • Jesus tinha muitas coisas para elogiar naquela Igreja, mas tinha uma advertência só…e muito séria…o esfriamento do amor.

 

  • Há uma tendência de ignorar as grandes virtudes da fé cristã, e dar lugar à uma apostasia, ou seja, o abandono da genuína fé. (II Ts 2:3). O ódio do mundo pode engolir a Igreja que não ama.

 

  • Temos, em contrapartida, o desafio de “crescermos em amor” enquanto o mundo cresce no ódio. (Fp 1:9,10).

 

 

  • É bom ainda lembrar que, o contrário do amor nem sempre é o ódio em si, mas pode ser a indiferença, a frieza, a falta de ação positiva em relação a ajuda ao próximo.

 

  • O contrário do amor também pode ser o falso conceito que se dá ao amor. Baseado apenas no sentimento, na preferência na satisfação própria.

 

  • A Igreja, como coluna da verdade (I Tm 3:15), deve manter os princípios da Palavra de Deus, no meio de uma geração corrompida. Cabe a nós, vigiarmos para que não sejamos desqualificados e venhamos também a cair. (I Co 9:27; 10:12).

 

A Importância do Amor.    

1.   Um Mandamento.

 

  • Jesus disse: “Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros”. (Jo 13:34). “Isto eu vos ordeno”. (Jo 15:12).

 

  • Como discípulos do Senhor Jesus, não temos outra escolha a não ser obedecê-lo. Jesus não sugeriu que amássemos, Ele ordenou. Não há justificativas nem desculpas para deixarmos de amar.

 

  • Se amar é o maior de todos os mandamentos, concluímos que deixar de amar se constitui no maior pecado.

2. A Identidade do Discípulo.

 

“Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (Jo 13:35).

 

“Ninguém jamais viu a Deus; se amardes uns aos outros, Deus permanece em nós, e o seu amor por nós é aperfeiçoado”. (I Jo 4:12).

  • Se quisermos ser conhecidos como crentes ou religiosos, basta andarmos com uma bíblia debaixo do braço, ou alguém nos vir sair de uma Igreja.

 

  • Mas se quisermos ser conhecidos como discípulos de Jesus, precisamos amar. O amor reflete o caráter de Deus na nossa vida. É a melhor forma de tornar Deus conhecido.

 

“Ninguém viu a Deus. Mas se amarmos uns aos outros, o seu amor permanece em nós, e o seu amor está aperfeiçoado em nós”. (I Jo 4:12).

 

 

3. O Amor perdoa as ofensas.  

 

“Sobretudo, amem-se sinceramente uns aos outros, porque o amor perdoa muitíssimos pecados. ” (I Pedro 4:8). “Perdoem as queixas que tiverem uns dos outros, como o Senhor nos perdoou. ” (Cl 3:13).

 

 

  • Como foi que Deus nos perdoou. Sem que a gente merecesse. Sem que a gente pudesse dar algo em troca, ou pagar.

 

  • Assim como nós precisamos que Deus perdoe os nossos pecados que cometemos no dia a dia, também precisamos ter o mesmo ato de misericórdia para perdoar as ofensas que cometem contra nós no dia a dia.

 

  • O amor nos dá condições de perdoar as falhas e erros dos outros. Nos torna tolerantes e compreensivos, dando-nos a capacidade de suportar as ofensas do outro. (Cl 3:13: I Co 13:7).

 

  • Somente o amor é que nos capacita a vivermos em família, e em comunidade, apesar das diferenças.

 

 

4. O Vínculo (elo) da Perfeição. (Cl 3:14).

 

  • “O amor une perfeitamente todas as coisas. ” É o sinal de motivação correta em tudo o que fazemos. (I Co 13:2).

 

  • A pessoa pode ser cheia de talentos e fazer tudo com muita perfeição. Pode até ter dons maravilhosos, mas se não tiver amor, terá valor apenas diante dos homens, não diante de Deus.

 

  • Ou seja, só alcançara resultados aqui na terra. Não alcança valores eternos.

 

Que recompensa teremos em amar assim.

 

  • O amor não é apenas uma virtude que ajuda a conviver bem com as pessoas aqui na terra.

 

  • O amor é o caminho mais fácil para fazer com que a nossa natureza seja transformada conforme o caráter de Cristo.

 

  • O amor é o instrumento que faz com que tudo o que fazemos aqui tenha o seu valor creditado na eternidade. “Tudo o que fizerdes, fazei como ao Senhor”. “O amor é eterno”.

 

1.   Esse tipo de amor envolve mais ação do que  sentimento.

 

  • A Bíblia diz: “Meus filhinhos, não amemos de palavra nem de boca, mas em ação e em verdade. ”  (I Jo 3:18).

 

  • Embora o sentimento seja importante, porque revela a sinceridade do coração, não esperamos ele chegar para poder agir.

 

  • O bom samaritano expressou amor pelo inimigo, mesmo com o seu sentimento ferido.

 

 

Diálogo entre um marido com problemas no casamento e um pastor:

 

  • Minha esposa e eu não estamos mais apaixonados. Os sentimentos acabaram. O que eu posso fazer?
  • Ame-a.
  • Mas eu lhe disse: – Não existe mais sentimento entre nós.
  • Esse é um bom motivo para amá-la.
  • Mas como posso amá-la se eu deixei de amar?
  • Obedeça-a….sirva-a….cuide dela…sacrifique-se por ela.

 

Não existe obstáculo para o amor verdadeiro.  Amar significa ter atitudes.

 

  • Um amor que não se limita apenas em buscar satisfação, mas que é capaz de pagar um preço para construir algo que precisa ser construído na vida de outra pessoa.

 

  • Um amor que não se limita apenas em dar, mas em repartir.

 

  • Quando damos alguma coisa, nos limitamos a dar o que não nos faz falta, ou que esteja sobrando.

 

  • Mas quando repartimos alguma coisa, não temos dificuldade em dar aquilo que temos ou aquilo que gostamos.

 

 

  • O sentimento, a paixão, cresce por aquilo que se vê ou se ouve. Está ligado à nossa alma.

 

  •  Mas o verdadeiro amor cresce como fruto de revelação e obediência. Está ligado ao espírito. Tem como base a fé, não o sentimento.

 

  • O amor esfria, o amor acaba, quando avaliamos o amor pelo sentimento, e não pela obediência, pelo prazer de fazer o bem a outra pessoa.

 

 

COMO AMAR ASSIM.

 

“O objetivo desta instrução é o amor que procede de um coração puro, de uma boa consciência e de uma fé sincera. ” ((Tm 1:5).

 

 

1. CORAÇÃO PURO

 

  • A purificação da nossa alma através da obediência à Palavra de Deus, leva-nos à uma capacitação   de poder amar o nosso irmão de forma sincera e verdadeira.

“Agora que vocês já se purificaram pela obediência à verdade e agora que já tem um amor sincero pelos irmãos na fé, amem uns aos outros com todas as forças e com um coração puro”.  (I Pedro 1:22).  Não basta ter atitudes boas, é preciso ter intenções puras.

 

  • “O Amor procede de Deus. ” (I Jo 4:7). Ninguém nasce com essa capacidade de amar. O amor não é uma aptidão natural, não depende do temperamento da pessoa, nem é resultado de uma boa educação ou fruto do meio ambiente.

 

  • No ser humano, em si, não há inclinação natural para buscar este tipo de amor. Este amor é resultado de uma qualidade de vida que vem de Deus. (Sl 53:3; 58:3,4; Rm 7:18).

 

  • Coração puro fala de uma vida santificada, separada para Deus. Não está falando de perfeição, mas de nova natureza.

 

2. UMA BOA CONSCIÊNCIA.

 

  • A consciência embora utilize a mente, ela também é uma faculdade espiritual. Por essa razão, é importante que a mente seja sempre renovada pela Palavra de Deus. “Transformai-vos pela renovação do vosso entendimento”. (Romanos 12:2).

 

  • A reputação é uma prestação de contas que devemos ao próximo, mas a consciência é uma cobrança dirigida à nós mesmos. “Devemos ter uma boa consciência para com Deus e também para com os homens” (Atos 24:16).

 

  • Se desejamos nos relacionar bem com as pessoas, não podemos nos preocupar apenas com o que Deus pensa, mas também com o que as pessoas pensam.

 

  • O maior elogio, a maior glória que podemos receber, é o testemunho da nossa própria consciência. “Esse é o nosso orgulho: O testemunho da nossa consciência. (II Co 1:12).

 

 

  • Uma vida de impureza impede qualquer manifestação do Espírito na nossa vida. A impureza e o amor não podem caminhar juntos.

 

3. UMA FÉ SINCERA.

 

  • A sinceridade é uma virtude que agrada muito a Deus. Sinceridade significa íntegro, sem mistura, sem remendo…

 

  • Mas essa sinceridade deve estar fundamentada na verdade da Palavra. É assim que devemos servir ao Senhor. “Servi ao Senhor com sinceridade (integridade) e verdade (fidelidade). ” (Josué 24:14).

 

  • A sinceridade em si, não garante nada.  É preciso ser sincero, dentro da verdade. Porque é possível alguém viver de forma sincera, mas no engano.

 

  • Sua fé verdadeira e sincera em Jesus Cristo permite que o amor dele se manifeste através da sua vida. Uma fé verdadeira, não fingida, na Palavra de Deus, te dá forças para perdoar, suportar e compreender as falhas do próximo.

 

  • Não tente viver um tipo de vida que na realidade você não possui.  Há muita gente tentando viver uma vida religiosa, sem, contudo, ter tido a experiência do novo nascimento.

 

  •  “O Amor procede de Deus. ” (I Jo 4:7). Ninguém nasce com essa capacidade de amar. O amor não é uma aptidão natural, não depende do temperamento da pessoa, nem é resultado de uma boa educação ou fruto do meio ambiente.

 

  • No ser humano, em si, não há inclinação natural para buscar este tipo de amor. Este amor é resultado de uma qualidade de vida que vem de Deus. (Sl 53:3; 58:3,4; Rm 7:18).

 

 

  • Por isso, se queremos amar como Jesus amou, precisamos primeiramente buscar ter um coração puro, uma boa consciência e uma fé sincera.

 

“Andar como seu Filho andou, Senhor…é tão difícil imitar…

Mas uma coisa posso prometer – vou tentar. ”